INSCREVA SEU E-MAIL

NO FACEBOOK

segunda-feira, 21 de março de 2016

Diagnóstico, Melhoria e Transformação de Processos em Goiás


Em Fevereiro e Março de 2016, estive ministrando os 2 módulos do “Curso de Formação de Analista de Processos” para a Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento do Estado de Goiás (SEGPLAN-GO).

O Módulo 1 do treinamento teve o intuito de capacitar e habilitar os servidores em modelagem, análise e diagnóstico de processos de negócio conforme a disciplina de Gerenciamento de Processos de Negócio (BPM).

Já o Módulo 2 preparou os servidores para projetar melhorias em processos com uso das técnicas e tecnologias mais modernas (BPMS) e, além disso, melhorias capazes de transformar a vida do cidadão (cliente) por meio da perspectiva Outside-in (De fora para dentro ou Foco DO Cliente).

Os participantes tiveram a oportunidade de estruturar e aplicar suas ideias para transformação de processos no “Canvas de Jornada do Cliente e Integração de Processos - CJPI Canvas". 

Criei e refinei esse canvas ao longo dos últimos anos e, em breve, além de fazer parte do treinamento, ele também estará presente no meu novo livro - totalmente dedicado ao tema.

Muito obrigado a todos pela bela oportunidade.

Espero que o conhecimento compartilhado contribua para melhorar cada vez mais a vida dos cidadãos do estado de Goiás.


Grande abraço e até breve.

Gart Capote

** Abaixo, informativo do mês da SEGPLAN-GO **


quinta-feira, 3 de março de 2016

Formação de Analistas de Processos



No dia 26/02/2016 lançamos a versão digital (.pdf) da segunda edição do meu mais aclamado livro:
"Guia para Formação de Analistas de Processos".

O preço de lançamento está imperdível R$ 13,83.

Este é o link para comprar na editora:
http://www.bookess.com/read/23694-guia-para-formacao-de-analistas-de-processos-2-edicao/

Obrigado a todos pelo apoio até hoje!

Continuarei escrevendo, aprendendo, ensinando e divulgando a disciplina de Gerenciamento de Processos de Negócio em nosso país e onde mais for necessário.

Abraços,

Gart Capote

quarta-feira, 2 de março de 2016

BPM - Forças Especiais


Só para compartilhar uma informação importante sobre o mercado nacional.

No ano de 2015 tive quase 20 turmas dos meus cursos pelo Brasil e, em janeiro de 2016, já comecei o ano ministrando treinamento em Macaé - RJ. 
Essa dinâmica me confirmou uma tendência que havia percebido ao longo do ano passado.

As organizações não estão desistindo de investir em capacitação, apenas ajustando o foco.

Se em 2013 e 2014 nossas turmas eram repletas de profissionais buscando melhores maneiras de aplicar os recursos destinados a modernização organizacional, em 2015 o foco era aprender maneiras de manter desempenho e competitividade em cenário de poucos recursos disponíveis.

Comecei 2016 confirmando a tendência e acredito que a mesma se mantenha viva por mais um ou dois anos.
Ou seja, hoje, as organizações estão capacitando seus profissionais em BPM para promover a melhor utilização dos escassos recursos disponíveis.
É querer, no mínimo, fazer o mesmo com menos. Algumas, mais ousadas/necessitadas, precisam fazer mais com menos.

Sendo assim, caro colega, alinhe o quanto antes a sua proposta de valor dentro das organizações.

Não venda projetos complexos e com longo prazo de retorno. No cenário atual, é mais viável promover e oferecer melhorias pequenas e com ajustes que serão rapidamente realizados. Essas melhorias trarão algo essencial para o momento em que vivemos: fôlego organizacional (ie. capacidade de continuar lutando).

O seu trabalho em gestão de processos, muito provavelmente, será norteado por ações de redução de tempo, redução de custo, manutenção de capacidade operacional, manutenção de qualidade x custos diretos e indiretos etc.
Acredito que esse será um cenário bastante recorrente para 2016 e 2017.

Porém, também temos o outro lado da moeda. Temos organizações decididas a investir na melhoria de produtos e serviços com base no foco do cliente… Sim, temos. Obviamente, não é uma jornada para todos. Poucas organizações nacionais estão vivendo essa realidade, mas, em algum momento de um futuro muito próximo, todas deverão passar por essa fase.

Para não me alongar mais, gostaria de finalizar dizendo: acredite no investimento que você já fez.
Os estudos solitários, os treinamentos, as palestras, tudo que você já fez para se capacitar em BPM continua valendo.
Seu conhecimento em diagnóstico e melhoria de processos será de muito valor e extremamente demandado nos próximos 2 anos (no mínimo).

Não veja as notícias como um presságio de tempos ruins, mas sim como a certeza de uma mudança inevitável e que trará maturidade para nossas organizações.

Considerando que as organizações brasileiras estão envolvidas em uma guerra pela sobrevivência, posso reviver meus tempos de caserna e lhe dizer nesse momento:

Acredite que podemos vencer essa batalha.
Nossos comandantes precisam de informação com qualidade e relevante para a tomada de decisões.
Nossos soldados precisam ser melhor equipados, mais treinados e motivados.

Vamos para o front sem medo e com fé em nossas intenções e ações.
Profissional de BPM é combatente especialista e de pronto emprego.

Nos veremos no campo de treinamento e nos campos de batalha.

P.S. Se você está buscando atualização em BPM, veja minha agenda de cursos para o ano de 2016. Clique no link:
http://www.gartcapote.com/

Até breve!

Gart Capote

terça-feira, 1 de março de 2016

Formação de Analistas de Processos em Macaé - RJ


Olá pessoal!

Em Dezembro de 2015 e Janeiro de 2016, estive em Macaé ministrando 2 turmas do “Curso de Formação de Analistas de Processos - M1 - Análise e Diagnóstico de Processos” para a importante FMC Technologies.

O treinamento foi realizado nas incríveis instalações da FMC Technologies University e contou com a participação de 30 profissionais ligados a engenharia, gestão e planejamento organizacional.

Fiquei muito honrado em poder levar o treinamento e a disciplina de BPM para uma organização internacional já tão avançada em Processos, Lean, 6 Sigma e que investe constantemente na capacitação de seus colaboradores.

Deixo aqui meu agradecimento especial aos colegas Pimenta e Olívia. Vocês foram sensacionais antes, durante e depois do treinamento. 
Muito obrigado pelo convite!

Espero vê-los novamente e em nova turma - agora para o Módulo 2 - Melhoria e Transformação de Processos.


Abraços e até breve!

Gart Capote

O Rei desnudo


Melhoria de processos, BPM, foco em redução de custos, aumento de capacidade produtiva, esse tipo de abordagem… Isso é coisa do passado. 
Isso tudo é coisa de empresa do século XIX e XX.

Bom, ouvi essas idiotices, calei minha boca e fiquei pensando:

Seria um alemão dizendo isso, um japonês, um americano, um suíço?
Não, era um brasileiro - e que vive no Brasil!

Foi nesse momento que perdi a paciência e me afastei.

Se você vive no Brasil, sabe muito bem que vivemos um quase que completo caos organizacional/operacional.
Nossas organizações estão muito longe de um estado mediano de maturidade. Todos os dias encontramos problemas comuns aos iniciantes e desorganizados.

Nossa saúde pública e privada vai de mal a pior, nossa educação idem, a segurança pública nem precisa comentar, a telefonia - uma vergonha, transporte e logística - um inferno.

Encontro milhares de profissionais por ano e ouço de cada um deles sempre a mesma coisa:

“Na minha empresa, precisamos melhorar muito. Não conhecemos nossos processos, nossa gestão é quase empírica, nossas metas sempre ousadas e nossos gestores são ignorantes no tema Gestão Por Processos.”

São profissionais que atuam em organizações de todos os portes. Essas declarações não são feitas por amadores.

Aí, te peço; pare e pense um pouquinho comigo.

Você acha, realmente, que falar de melhoria de processos, redução de custos, aumento de produtividade, gestão horizontal, foco do cliente, que essas coisas são perda de tempo. Que se não formos disruptivos e dermos saltos para o futuro seremos massacrados pela mudança?

Eu diria o seguinte:

O discurso é lindo, mas a realidade Brasileira é outra.

É como na propaganda de comida para bebês. A mãe olha para o filho e pensa em tudo o que ele pode vir a ser um dia, astronauta, cientista etc. Mas, no momento, o maior desafio daquela criança, ainda é aprender a comer…

Resolvi escrever esse e-mail para você, interessado e profissional de processos, para que você não esmoreça e não desista da luta.

É muito mais fácil se encantar com uma novidade, um “buzzword” fabricado para gerar negócios, do que se manter firme e continuar lutando para alcançar pequenos, mas extremamente relevantes, avanços nas organizações brasileiras.

Eu conheço, pessoalmente, a maior parte da lista de e-mail. Conheço a luta que cada um trava em seu dia a dia para convencer os colegas sobre a importância de entender e gerenciar processos.

Nesse 2016, aproveite para mostrar o valor que BPM pode trazer para as organizações. Vamos utilizar o conhecimento da Gestão Por Processos para ajudar nossas organizações a perdurar e atravessar mais esse momento turbulento.

Quando o modismo “disruptivo” for capaz de mostrar “como” fazer as coisas, vamos ver o que ele tem para apresentar.

Por hora, vamos nós mesmos fazer o que precisa ser feito. Nós sabemos o que precisa ser feito e como fazer.
O resto é discurso e venda de futurologia.

O que falta em nosso povo é um pouco mais de consistência e perseverança.
Temos uma terrível tendência de abandonar as coisas quando encontramos dificuldades.
Vamos nos unir e mostrar que existe uma nova leva de brasileiros que pensa e age diferente.

Contem comigo. Contem com a rede de profissionais de BPM no Brasil.

Vamos em frente e um ótimo 2016 para todos nós!

Gart Capote

terça-feira, 6 de outubro de 2015

Lançamento

Lançamento da 2ª edição do livro

"Guia para Formação de Analistas de Processos"



Nessa promoção de lançamento, conseguimos reduzir o custo do exemplar físico de 
R$ 94,00 para R$ 74,86

Para adquirir com o preço promocional, siga este link:

quarta-feira, 29 de abril de 2015

BPM Day SP - 2015

Olá Pessoal!

Apenas um rápido agradecimento pela participação na 56ª edição do BPM Day da ABPMP Brasil.
Ficamos muito felizes com a presença de mais de 700 profissionais ao longo de todo o dia 27/04/2015.

Esperamos revê-los nos próximos eventos.

Grande abraço e até breve!

P.S.
Na próxima semana teremos mais um episódio disponível no BPM PODCASTS.
http://www.gartcapote.com/bpm-podcasts.html


Aquele ponto lá no fundo, sou eu no palco... :)

quarta-feira, 15 de abril de 2015

ESCRITÓRIOS DE PROCESSOS


REALIZADORES OU ORIENTADORES?
Como bem sabemos, cada vez mais as organizações estão adotando práticas mais modernas de gestão do dia a dia e com isso buscam melhorar seus resultados eliminando erros e desperdícios. Além disso, procuram alinhar a estratégia organizacional e os processos para que esse alinhamento se torne uma eficaz ferramenta de transformação. Isso tudo está presente na disciplina de gestão conhecida como BPM, ou, gerenciamento de processos de negócio. Porém, um elemento crucial para a adesão prática da disciplina precisa ser reconhecido e estabelecido. Esse elemento, viabilizador e mantenedor dos novos métodos, é conhecido como Escritório de Processos. Tradicionalmente, um escritório de processos precisa cuidar de uma série de etapas para a mais adequada adoção de BPM. Por exemplo:
1- Divulgação e conscientização da gestão por processos para os colaboradores da organização;
2- Desenvolvimento e manutenção do método de gestão por processos da própria organização;
3- Capacitação e desenvolvimento de competências profissionais no método;
4- Gestão de projetos envolvendo diagnóstico e melhoria de processos.
Além disso, quando a organização é iniciante ou ainda possui baixa maturidade no tema BPM, é bastante comum encontrar escritórios de processos que, além de tudo que mencionei antes, também atuam como os “braços e mentes" da realização das atividades de BPM. Ou seja, acabam por concentrar uma equipe de especialistas no tema e esses especialistas funcionam como consultores internos. Esse tipo de configuração, apesar de muitas vezes necessária, é bastante arriscada e encontra problemas recorrentes, sendo um dos mais críticos, a limitação da capacidade de realização dos projetos ou "estrangulamento produtivo”, criando assim, inúmeros gargalos na demanda interna. Além disso, quando o escritório é o responsável final pela realização de todas as ações de levantamento, documentação, proposição de melhorias, implantação, monitoramento etc. existe um outro efeito igualmente ruim na organização. As unidades de negócio ou áreas funcionais não se sentem como parte responsável pelo resultado e esse fenômeno acaba provocando uma sensação de distanciamento das iniciativas de BPM e até mesmo da importância dessas ações.
É muito comum encontrar nesse tipo de escritório de processos, profissionais bastante estressados e desmotivados, pois sentem que estão carregando as iniciativas nas costas e, ao mesmo tempo, quase ninguém da organização percebe valor no trabalho realizado. É igualmente comum ouvir nessas organização frases como, “isso é com o pessoal de processos”, “já pedi para olhar os nossos processos, mas eles ainda não vieram aqui”, e outras frases parecidas. Obviamente, esse tipo de declaração é uma clara evidência de distanciamento entre o que a organização diz querer, e o que é realmente capaz de fazer. Nesses casos, nas diversas áreas da organização, ninguém se sente verdadeiramente responsável pelo resultado dos seus processos e a gestão do dia a dia. Porém, também temos o outro lado da moeda. Existem organizações bastante maduras em BPM e com consciência da enorme necessidade de envolvimento de todos para que a gestão por processos se torne uma prática real - e não uma série de projetos e iniciativas com dificuldade de mostrar valor.
As organizações mais avançadas na gestão por processos, na maior parte das vezes, possuem seus escritórios de processos em níveis hierárquicos mais próximos da gestão estratégica. Normalmente, não ficam atrelados sob uma gestão ou coordenação tático-operacional. Esses escritórios, além de manter a agenda motivacional de BPM bastante viva na organização, também mantém atualizado o método de gestão por processo, promovem e incentivam a capacitação dos colaboradores das áreas funcionais para que todos entendam o que está sendo feito e sejam capazes de tocar o dia a dia com entusiasmo e com o ferramental técnico necessário (BPMN, BPMS, CEP, Lean etc.).
Uma das maiores diferenças que percebemos entre escritórios realizadores de projetos (os que atuam em organizações com pouca maturidade de BPM) e os escritórios orientadores da prática (os que existem em organizações mais maduras no tema BPM) é que os escritórios orientadores se preocupam com a manutenção e utilização diária do método em cada área do negócio, fazendo com que os colaboradores se sintam parte crucial dos processos e responsáveis pelo seu desempenho. Os escritórios orientadores da prática não se tornam gargalos de adesão do método, pois já capacitaram as pessoas e criaram multiplicadores entusiastas da gestão por processos. Não ficam levantando e modelando processos o dia todo, pois a manutenção dos processos é de responsabilidade dos colaboradores (atores dos processos) e seus gestores.
Na verdade, cada vez mais esses escritórios atuam na definição da nova e mais dinâmica arquitetura organizacional orientada por processos, apoiando na criação dos indicadores de desempenho e, principalmente, na criação de indicadores organizacionais - os indicadores que retratam a capacidade organizacional de alcance de suas ambições e valores sociais. Um escritório de processos maduro é um instrumento estratégico para uma organização promover e manter sua constante transformação.
Um escritório de processos iniciante é um instrumento operacional para viabilizar a realização de projetos de processos e comprovação de pequenos ganhos operacionais. Ambos são valorosos, porém, é preciso iniciar a jornada organizacional da gestão por processos sabendo onde podemos, devemos e queremos chegar. Caso o contrário, os escritórios serão apenas mais uma área funcional organizacional, que pelo mesmo motivo das outras áreas da organização, acabará se isolando e distanciando das reais necessidades organizacionais e da sociedade (seu maior cliente). Portanto, e para encerrar, gostaria de deixar aqui minha colaboração final.
Se a sua organização já possui ou está definindo um escritório de processos do tipo “realizador”, não tem problema, desde que se defina a evolução do mesmo ao longo da jornada.
Se a sua organização já funciona com um escritório de processos mais “orientador”, prepare-se, pois seu próximo desafio é apoiar a camada estratégica na nova e necessária transformação organizacional.
É um mundo mais abrangente e dinâmico que estamos vivendo, não é mais viável manter dogmas institucionais e isolamento social. Já estamos todos unidos e o tempo todo. Queira ou não.
Aproveite para ouvir, baixar e compartilhar o "BPM Podcasts".

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

...E começou 2015


480 Bilhões de dólares.
Valor desperdiçado anualmente pelas empresas “Fortune 500”.
Causa do desperdício: Processos ineficientes
Fonte: Tech CEO Concil Report (2010)

1.3 Trilhão de dólares.
Valor desperdiçado anualmente pelo setor público norte-americano.
Causa do desperdício: Processos ineficientes
Fonte: McKinsey Government Reform Report (2009)

Será que a realidade das organizações brasileiras é diferente?

2015 precisa servir de alerta para todos nós.
Se não investirmos imediatamente na eliminação de desperdícios, nunca teremos recursos suficientes.
Análise de Processos é uma importante ferramenta para descobrir as tantas causas de ineficiência em processos.
O Analista de Processos é o profissional responsável por produzir esse diagnóstico organizacional.

Fico muito feliz por já ter contribuído com a formação direta de mais de 2000 analistas de processos no Brasil.
Precisamos manter o foco, nos capacitar cada vez mais, trabalhar melhor e não se desesperar com as notícias que já escutamos e com as que ainda estão por vir.
Está na hora de mostrarmos nossa resiliência e força de vontade.

Vamos em frente e contem comigo!